HomeCarreiraPorquê definir medos (em vez de objectivos)

Porquê definir medos (em vez de objectivos)

Quantas vezes já ouviram: “Se queremos atingir algo – dominar uma ferramenta, mudar de emprego ou aprender uma nova competência – temos de definir esse objetivo e traçar um plano de acção“?

Muitas certamente.

“Um objetivo sem um plano é apenas um sonho”. E isto é a mais pura das verdades. Contudo, recentemente vi uma TED talk da autoria de Tim Ferriss com o seguinte título “Porque é que deves definir os teus medos em vez de definir objetivos”.

Só por si este título já chama atenção mas a forma como Ferriss desenvolve esta ideia é de facto interessante e prende até ao último segundo.

 

 

Tim Ferriss propõe um exercício simples (mas poderoso) para nos ajudar a prosperar em momentos de stress, separando o que podemos controlar, daquilo que não podemos.

“Sofremos mais frequentemente na imaginação do que na realidade” Seneca

Ferriss refere-se a este exercício de 3 páginas como o “Fear-setting” ou, em português, “Definição dos Medos”.

Na primeira página, ele propõe definirmos o nosso principal medo – aquilo que está a causar ansiedade na nossa vida, que estamos de alguma forma a evitar. Por exemplo: Pedir um aumento ou demitirmo-nos.

Nessa mesma página temos 3 colunas: Definir, Prevenir, Reparar. Na primeira coluna, devemos escrever 10 a 20 situações que são as piores coisas que podem acontecer como consequência da nossa acção sobre o que nos está a causar medo.

 

Definicao-medos

 

Na segunda colina, Prevenir, escrevemos o que poderemos fazer para evitar que aquelas situações aconteçam ou, pelo menos, diminuir a sua probabilidade de acontecer.

Na terceira e última coluna, Reparar, listamos o que poderemos fazer na eventualidade do pior cenário acontecer e como o podemos reparar (mesmo que apenas um pouco).

Na segunda página, Ferriss sugere reflectirmos sobre: “Qual seria o benefício de uma tentativa ou sucesso parcial desta acção?
Esta reflexão (conservadora) permite olhar para o outro lado da balança.

Na última página, “Qual o custa da inação (emocionalmente, fisicamente, financeiramente, etc.) nos próximos 6 meses, 1 e 3 anos?”.

Segundo Ferriss as escolhas difíceis – o que mais tememos fazer, perguntar ou dizer – são, muitas vezes, exactamente aquilo que precisamos fazer.

 

“Escolhas fáceis. Vida difícil. Escolhas difíceis. Vida fácil.” Jerzy Gregorek

 

Gostaram deste artigo? Não se esqueçam de fazer pin:

Porquê definir medos (em vez de objectivos)

 

Não percam ainda:
> 15 dicas para conseguir o emprego de sonho;
> Por detrás do sucesso: Maria João, Joland;
> Por detrás do sucesso: Sofia Oliveira, Josefinas.

Written by

Responsável de comunicação e social media manager. Aqui encontrarão dicas sobre redes sociais, comunicação, mas também artigos relacionados com carreira e desenvolvimento pessoal.

No comments

leave a comment

Ao continuar a usar este site concorda com a política de utilização de cookies. Mais informações

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close