O meu problema com a ideia de ter um “Instagram Perfeito”

O meu problema com a ideia de ter um Instagram Perfeito

Alguém acredita que trabalhar no computador na cama é assim tão glamoroso como parece nesta foto?

 

Hoje vi uma publicação que me fez pensar.

Era sobre o Instagram. E tinha um conjunto de dicas. Dizia algo como “é preciso publicar no mínimo de 2 em 2 dias senão o algoritmo arrasa com a vossa página”.

E continuava: “Mas se não tiveres fotos de qualidade, não publiques nada porque senão estraga o feed”.

 

Eu não podia discordar mais.

Tanto do primeiro ponto, como do segundo.

 

Eu sei que estes são o tipo de conhecimentos que são ensinados nos cursos, por gurus e especialistas.

Mas a realidade nem sempre é aquela que vem nos livros, nos cursos ou nos blogs.

A nossa realidade somos nós que a fazemos.

 

Queres publicar só quando te apetece?

Queres publicar mesmo quando achas que não tens aquela foto perfeita?

Então publica.

Publica quando te apetece, quando é mais orgânico e autêntico. Publica quando tens algo a dizer. Algo em que acreditas ou algo de qualidade, com valor, que achas que é importante partilhar, por mais pequeno ou maior que seja.

Acredito que a longo prazo serão as pessoas que têm algo a dizer – e não as que têm um perfil cheio de fotos perfeitas – que vão prevalecer.




Querem um exemplo de como isto que vos estou a dizer é verdade?

No primeiro caso, eu própria não publico com uma frequência exemplar. E posso passar vários dias sem publicar nada. A minha conta cresce de forma sustentada e tenho uma taxa de interacção alta. Nunca fui penalizada ou “arrasada pelo algoritmo” por não publicar todos os dias ou dia sim dia não.

Alias já notei o oposto: depois de vários dias sem publicar, quando volto a partilhar uma publicação tenho taxas de interacção e alcances superiores (e não o contrário).

 

No segundo caso, e para constatarem como ter o feed perfeito não é tudo, basta irem a alguns dos perfis de Instagram com mais seguidores do mundo.

Muitos não têm um feed coerente.

Muitos não têm um tema ou filtros consistentes.

Muitos nem sequer têm destaques organizados.

 

Estas páginas têm milhões de seguidores porque as pessoas admiram aquela pessoa, acreditam no que ela tem para dizer. Não porque ela tem fotos perfeitas. Mas porque gostam da pessoa.

Talvez a sigam pelo seu conhecimento numa determinada área, pela sua experiência ou pelo seu estilo de vida.




As imagens visualmente interessantes e apelativas podem ser um excelente acrescento. Nisso concordo (e aliás tento ter esse cuidado no meu perfil).

Mas não devem ser a essência.

Muito menos quando não há mensagem ou valor acrescentado nenhum à volta das mesmas.

 

Por isso mesmo acredito que o Instagram é muito mais do que um feed bonito.

E quem se aperceber disto agora tem uma vantagem competitiva em relação a todos os outros (que andam a seguir determinadas regras religiosamente na esperança de conseguir atingir mais pessoas).

 

Eu própria partilho muitas dicas sobre o Instagram (como, por exemplo, este artigo sobre “10 temas do Instagram que podes facilmente recriar” de forma a ter um feed coerente ou ainda “Os 10 erros mais comuns cometidos no Instagram“). Mas a ideia é ter estes conhecimentos e saber quando quebrar as regras.

Saber o que é mais importante.

E é isso que vejo a falhar em muitos cursos e consultorias que são feitas neste momento.

 

Eu sei que esta minha opinião é muito pouco popular e diferente do que é ensinado. Mas estou curiosa para saber a vossa opinião sobre este assunto.

O que acham destas regras (ou falta delas) e que estratégia é que vos trouxe mais resultados?

 

Continuar a ler:

Sem comentários

Deixar um comentário